PE project about #Bicycles connected to #GlobalGoals #3 (Good Health and Well-Being) and #11 (Sustainable Cities & Communities).

DSC_0941
The original Dutch Bike. My own photo from Amsterdam. 

Idea: Develop a project connecting to bicycle as a means of transportation to engage people to take care of the environment and have workout equipment to provide health conditions.

I’m gonna use two pillars: Sustainability and Collaboration. Sustainability to engage people to know more about how to prevent damages to the environment. Collaboration to help each other to raise awareness of the impacts of using polluting vehicles on the environment.

Global Goal #3: Good Health and Well-Being. Using this GG, I’ll describe the health benefits to workout using bikes as the main equipment, exploring all the characteristics of the bicycle, making connections to body systems promoting health conditions on our daily basis.

Global Goal #11: Sustainable Cities and Communities. This GG will be part of the consequences of engaging riding bicycles in our routine and all the positive impacts of reducing pollution by using bikes instead of cars daily.

I’m going to display this project in an online education platform this week, and the first idea of the project is sharing with students from different schools to know more about sustainability & urban mobility.

Goals of the project:

Raise awareness of Sustainability & Health and Well-Being.

Engagement Rating Chart.

20190823_100110

I’ve been thinking about strategies to engage my students to take PE lessons. A teacher struggles to keep students engaged all class long, and it’s mine also. Sometimes I feel early years involved, and lower or middle school don’t. On the other hand, talk to the old kids it’s quite useful to find new strategies to achieve student’s expectations, that’s because we can chat and discuss what is the best for them looking for their own interests. So, I have toddlers to kindergarten engaged and Middle School already spreading wings and discussing their interests, but what about Lower School? I started to put in practice some visible things to engage them as an Engagement Rating Chart.

I’m not talking about disengagement and disrespect only but giving them instantly positive feedbacks. Following this idea (to give positive feedback while teaching them) I think I could make it visible as I am pursuing this model of practices. I described the importance to do not complain while playing games, and this is the start of our new philosophy in PE lessons. If we do not complain about our friend’s behavior and try to solve problems by ourselves instead of taking short breaks during the PE lessons, children can enjoy more time and play.

This week I made this chart to gather some data of their behavior, and we (my assistant and I) felt children worried about the progress of the class. The main idea is starting the lessons one hundred percent, very happy and full battery. I made the connection with the battery because we are in the digital era, which means, students could understand the idea to lose something while the battery is losing energy. I established the rules below:

  1. The three faces: Happy, Thinking, and Sad. I will manage the humor of the faces according to the power of the battery. Starting the battery a hundred percent, the face is Happy. Achieving fifty percent, the face is Thinking and, less than fifty, the face will become Sad (I’m rethinking to change the faces for thumbs up or down).
  2. The battery: According to children’s behavior, if they score Disengaged or Disrespectful, the group will lose ten percent of the battery, which means, one less minute of ten minutes destined for free play at the end of the class.
  3. At the bottom of the chart, you can see the rating behavior. I will gather their data through the development of the class. Disengaged is the “worst” one because some students don’t even try to take the class and find some humor in my lessons. For the old ones, students that don’t like sports or plays, in general, come to me asking to go to the nurse complaining about something instead of taking lessons – this is an indication of disengagement. Following the same idea, Disrespectful embrace all bad behavior as physical and verbal disrespect to each other and the teacher’s approach. If students score one point only in both categories, they will lose ten percent of the battery. They can recover the energy of the battery if they show Engagement, Happiness, or play and have fun like a Pro.

Of course, I have many things to consider and maybe remodel the chart. I’m applying the Engagement Rating Chat for the first time and know more about their feedback. I felt students engaged and worried to do not lose their free time and last but not least, to do not lose the PE class. If the chart becomes something meaningful, I’m thinking to ask the Teacher from Maker Space to do a wooden chart and also I’m thinking to make an APP. Let’s gather more data and reflect on the chart as a kind of research.

 

 

Habits of Mind Action Research Planning – Body & Movement (PE) – Escola Concept São Paulo.

IMG-20190816-WA0001

Moving forward on the previous content mentioned below, this is the picture of the practice of my action research of Habits of Mind. As you can see in the picture, a small group of students from Grade 6 wasn’t engaged in my PE lessons, and I asked my assistant to take some photographs while teaching them. We were playing Dodgeball at the beginning of the class as a warming-up activity, and in less than ten minutes, one student just ignored the deals and procedures of my classes, which is taking the whole class and attend the expectations of the practices.

This is the picture of the beginning of my research. The research will last a month and a half, and the idea is engaging these group of girls and use the Habit of Mind “Finding Humor” – check the all information below to know more about my action plan for this research. Looking forward to showing pictures of engagement through the process of my specific research. This is my debut of HoM researching after taking an online course. My research will last a month and a half as I mentioned above, but I will keep working on this project until December when I’ll present a TED Talk at Escola Concept SP to my leadership and coworkers.

Crossing fingers to have an excellent experience through this new perspective of teaching PE lessons to Middle School.

PE Research Project connecting the Habit Of Mind “Finding Humor”.

3dd6f6ba18bc3374b9a02334bc29d675.png

Introduction:

This semester I completed an online course of Habits Of Mind. I was able to discuss what’s going on during my classes in different perspectives of my practices, connecting HoM to early years until middle school. This planning below you will see my strategies to engage a group of students from Grade 6. I’m going to use “Finding Humor” to engage a group of four. I’m displaying the planning without many explanations for now, but the next post I’ll discuss more details, also showing pictures of practices regarding the group in evidence.

Games & Plays for Grade 6 – Finding Humor (1 or 2 students approach)

1st Session

Identify a Challenge: Engaging students all class long (small and whole group)

Some of the Differences I would like to make are: Connecting HoM often than usual, reflecting at the end of class. Also, choose two or three previous HoM and work on it developing starting from the HoM and promoting reflections over the chosen HoM.

What Do You Already Know? I know that some students don’t like to take physical exercises, and what struggles me is how to engage students that decided by themselves to do not take PE lessons.

What Do You Need To Know? More scientific strategies to become more confidente while exploring the habit of mind.

2nd Session

Describe your motivation for pursuing this: A specific student is not engaged in PE lessons. She usually says that she doesn’t like physical education at all. My partner and I, as a team, are looking for new strategies to engage her in new activities avoiding traditional games and having fun more than usual. She was explaining to me that it is not about me as a teacher, but she is considering the fact of having preferences for activities with less movement. The footage is: while arriving at court, she instantly look for her best friend pushing her to stay with her to have a conversation with another content (basically foolish content) instead of taking lessons as the other group are taking without problems.

Outline your timeline, goals, and resources: The idea is to engage the student (also her friend) until October of this year. The main goal is getting her confidence to talk to me when she feels unengaged during lessons. I’m going to use many different PE contents, also games and plays to differentiate PE lessons from other traditional schools, following the benchmarks and Habits of Mind routines and mentions.

Explain your proposed product: Here, I’m going to explain the strategies that I will use to engage her and have the proper approach to this research.

Strategy #1: Invite the student to become part of the teacher’s team to develop an explanation and showing how to play the game/play.

Strategy #2: Do not split the group of children who usually make a mess. Instead of the split, deliver a responsibility to engage others to run the game/play.

Strategy #3: Giving her positive feedback all the time, in the beginning, during the lesson and especially at the end of the class.

Strategy #4: Approaching students also at a different time of PE lessons, which means having a conversation out of the learning space.

Strategy #5: While strategies are working and going well, mentioning her as a model of ideal for PE lessons, measuring her improvement through the process of changing behavior.

I will measure her through Gathering Data from pictures and movies of her performance and engagement. I started already taking photographs of her non-efforts.

General instructions: Describe motivation WHY, Explain your method, time frames, goals WHAT. What will your end product be RESULT.

Why?

I chose a specific student from Grade 6 to engage her in PE lessons by Habits Of Mind’s Finding Humor. She told me that she doesn’t like physical exercises (PE classes) at all. I think I can help her to find humor taking PE lessons.

Explain Your Method

  1. Inviting her to become part of my team (me and my assistant) to explain the activities, set the environment, helping me to engage other students, and also measure the whole group (solving conflicts).
  2. I will give her positive feedback all the time, in the beginning, during the lesson and especially at the end of the class.
  3. Do not split the group of children who usually make a mess. Instead of the split, deliver a responsibility to engage others to run the game/play.

Time Frame

  • One month and a half (Half August and September)

What

  • The main goal is getting her confidence to talk to me when she feels unengaged during lessons.

Result

  • Gathering Data from photos & videos of her performances.

Opportunity for Growth:

  • Making her aware of the whole process – measurement.

Physical Education and Attention Deficit Disorder | Déficit de Atenção e a Educação Física.

tdah

EN-US:

***WARNING: This is not a scientifical text. It’s just a personal description of my infant life and my difficulties while trying to pay attention during regular classes like Math, Portuguese Language, and History. *(I’m trying to improve my writing in English language, so don’t worry about my English punctuation also. It’s an improving language skill doing this by myself – lol).

Last night I had a nightmare (a current nightmare) about my infant at school. When I was young, I had struggled with my performance trying to pay attention in classes. Most of the time I was thinking of different activities and being distracted not getting classes contents, and at the end of the semester, I didn’t finish my studies very well. I didn’t pass in my exams twice, on 6th grade and 8th grade also. It was I hard time for me because my brother and sister finished their studies properly and I had to overcome that situation. I think that was because of Attention Deficit Disorder condition. Every single day and every only time I was out of my classroom, almost literally. Sports is my life, and I released that I wanted to follow a professional path of games, becoming a Physical Education teacher or coach. Sounded interesting at first, and I got inside the college to take PE degree for four years. I understood many things taking the course, but about Attention Deficit Disorder I didn’t look for to know more about it. Sometimes it comes to my mind, and I keep asking myself – Do I have Attention Deficit Disorder condition or Did I have when I was young? For sure, I thought sports made me overcome many difficulties with concentration, but at the same time I was always thinking of sports and games, and I forgot to pay attention in many exciting things of my graduation as a young man. Today I have issues to solve math problems and Portuguese language punctuation.* Wrapping up the content, I brought the subject because it’s something that I want to know more about it. I want to know if sports practices helped me if I really had the condition or if I still have the situation. Some articles show people taking medicine to face the case, or just going to the psychologist to understand their condition and how to deal with this daily.

I’ll keep thinking about this, and the subject doesn’t finish here. It’s just the beginning of research about myself and my past. The struggles that I faced and keep facing. Maybe this can be a light at the end of the tunnel to develop exciting research and reach something that all PE teachers want to know about the benefits of sports practices to face Attention Deficit Disorder condition in the infant.


PT-BR:

*** AVISO: Este não é um texto científico. É apenas uma descrição pessoal da minha vida na infância e minhas lutas ao tentar prestar atenção nas aulas regulares como Matemática, Língua Portuguesa e História. * (Estou tentando melhorar minha escrita em inglês, então não se preocupe com a minha pontuação em inglês também. É uma espécie de aperfeiçoamento de habilidades de linguagem fazendo isso sozinho – rs).

Ontem à noite eu tive um pesadelo (um pesadelo frquente) sobre minha criança na escola. Quando eu era jovem eu tinha lutado com o meu desempenho tentando prestar atenção nas aulas. A maior parte do tempo eu estava pensando em atividades diferentes e me distraia não recebendo os conteúdos das aulas, e no final do semestre, eu não terminei meus estudos muito bem. Na verdade, eu não passei nos meus exames duas vezes, na 6ª e 8ª série também. Isso foi difícil para mim porque meu irmão e minha irmã terminaram seus estudos corretamente e eu tive que superar essa situação. Eu acho que foi por causa da condição de transtorno de déficit de atenção. Todos os dias e todas as vezes eu estava fora da minha sala de aula, quase literalmente. O esporte é a minha vida e eu queria seguir um caminho profissional nos esportes, tornando-me um professor de Educação Física ou treinador. Soou interessante no início, e eu entrei na faculdade para fazer o curso de EF por quatro anos. Eu entendi muitas coisas fazendo o curso, mas sobre Transtorno do Déficit de Atenção eu não procurei saber mais sobre. Às vezes vem à minha mente e eu continuo me perguntando – eu tenho condição de transtorno de déficit de atenção ou eu tinha quando eu era jovem? Com certeza, eu achava que esportes me faziam superar muitas dificuldades de concentração, mas ao mesmo tempo eu sempre pensava em esportes e jogos e esquecia de prestar atenção em muitas coisas interessantes da minha formação quando jovem. Hoje eu tenho dificuldades para resolver problemas de matemática e pontuação da língua portuguesa. * Resumindo o conteúdo, eu trouxe o assunto porque é algo que eu quero saber mais sobre isso. Eu quero saber se as práticas esportivas me ajudaram se eu realmente tive a condição ou se ainda tenho tal condição. Alguns artigos apontam pessoas tomando remédios para enfrentar a condição, ou apenas indo ao psicólogo para entender sua condição e como lidar com isso diariamente.

Eu vou continuar pensando sobre isso e o assunto não terminou aqui. É apenas o começo da pesquisa sobre mim e meu próprio passado. As lutas que enfrentei e continuo enfrentando. Talvez isso possa ser uma luz no fim do túnel para desenvolver pesquisas interessantes e alcançar algo que todos os professores de EF querem saber sobre os benefícios das práticas esportivas para enfrentar a condição de Transtorno do Déficit de Atenção na criança.

The Altruism Revolution – YouTube Films.

Mindful-kids-628x628

Há cerca de quinze dias postei no Twitter uma reportagem da CNN sobre Yoga para crianças, e um amigo logo em seguida me respondeu à esse tweet dando uma dica de documentário que aborda o mindfulness como uma atividade recorrente nas escolas americanas para crianças de ensino fundamental e médio. No documentário The Altruism Revolution há uma parte muito interessante que mostra o papel das atividades de mindfulness na escola e como isso reflete no comportamento das crianças no dia-a-dia. O cenário é um colégio com alto índice de violência nos EUA, e as práticas diárias de mindfulness com duração de 15 minutos demonstram que há um resultado significante nas escolhas das crianças em momentos de tensão, como em uma discussão entre colegas de sala de aula ou até mesmo com os pais dentro de casa.

Isso me fez lembrar um Habit Of Mind que utilizamos aqui na escola que é denominado como Managing Impulsivity. Esse HoM dentro das aulas de Educação Física é bastante explorado para que as crianças consigam administrar sua impulsividade em vários fatores, sejam eles na escuta ativa enquanto há a explicação de uma atividade proposta ou até mesmo em momentos de conflitos entre os colegas de sala. Essa conscientização da criança de administrar sua impulsividade ajuda nas melhores escolhas de conflitos, ou seja, o good choice que diariamente mencionamos na escola. É a capacidade de compreender o sentimento do próximo e fazer a melhor escolha para resolver um determinado problema.

O documentário aborda muito sobre a palavra Empatia e como isso impacta nosso dia-a-dia. Aqui na escola trabalhamos com projetos sobre Kindness Generates Kindness (Gentileza Gera Gentile – famoso no Brasil pelo clipe da cantora e compositora Marisa Monte). No filme há uma abordagem específica sobre o tema e há vários experimentos científicos que o contextualizam, então dá para entender como a empatia está associada à nossa essência e cultura.

O primeiro vídeo é o trailer do documentário que está no YouTube (R$ 3,90) e logo em seguida é o clipe Kindness Generates Kindness que utilizamos aqui na Concept SP e também é mencionado no documentário The Altruism Revolution:

 

The Mask You Live In.

maxresdefault

Como educador me sinto no dever de comentar sobre esse documentário Netflix. Esse é um documentário que todos educadores do século XXI precisam assistir para compreender o comportamento das crianças dentro das salas de aula e no ambiente escolar. Tem uma parte muito boa sobre o papel do professor de Educação Física na vida de seus alunos, e como isso pode impactar de formas positivas ou negativas. Devemos não somente ser professores, mas tentar ser mentores das crianças.

Me indicaram esse filme e percebi que a classificação dele não é muito boa, isso porque os documentários sobre educação no streaming são desconhecidos da grande massa.

Veja o trailer oficial do YouTube:

A incompreensão de profissionais de áreas educacionais para com os profissionais de EF no desenvolvimento de programas e projetos dentro da escola.

Nuthin' but net

Na escola tratamos de comportamentos diariamente, mas nesse post o comportamento não será relatado sobre as crianças em relação à mim, mas sobre como alguns grupos de profissionais da educação me veem como professor de Educação Física. Não só a mim, mas grande parte de profissionais da Educação Física que em algum momento, há tempos ou recentemente, sofrem alguma discriminação em relação ao nosso papel dentro da escola.

Parecerá um desabafo, e na verdade é mesmo, então deixo o meu protesto no meu blog, local onde posso expor minhas conquistas e, por que não, minhas frustrações? Dá-se ao fato de que sou professor há onze anos, com bagagem em mais de 15 empresas nas áreas fitness e educacional, ministrando aulas em escolas bilíngues há quase sete anos, atingindo o patamar das maiores escolas do Brasil e me tornando referência na Educação Física bilíngue em São Paulo, mas ainda assim, sendo menosprezado perante professores de outras especialidades dentro do mesmo ambiente de trabalho. Diversas vezes nesse semestre, quando desenvolvemos reuniões de apresentação de projetos e atividades realizadas com as crianças, escutei umas três vezes a seguinte pergunta: “…e aí Felippe, qual é o seu projeto? É sobre fazer embaixadinhas para as crianças?…”

É complicado quando um profissional da área educacional de escolas de alta gama da maior cidade do Brasil, quando o que se espera é a flexibilidade de pensamento sobre as diferentes formas de aprendizagem que a criança se submete, como educador dessas crianças, desrespeita de uma forma baixa e inconsequente um profissional atuante no mesmo patamar social que ele está inserido, ou seja, você menospreza a sua própria classe. Mas a cultura da Educação Física está inserida nesse âmbito, afinal, seremos sempre vistos como os professores que não trabalham, mas brincam; não planejamos, apenas jogamos a bola na quadra e deixamos as crianças fazerem o que querem; somos privilegiados porque usamos bermuda e camiseta ao invés de camisa e sapato; não nos inserimos aos projetos pedagógicos porque não queremos nos misturar, mas não porque não atinge o requisitos básicos da Educação Física descritos no BNCC (feito pelo MEC aliás) que devemos seguir, etc. Muitas coisas, muitas coisas…

Fui chamado de preguiçoso e desorganizado, isso foi o que eu escutei, fora o que eu não escutei que deve ser dito nas minhas costas e nas costas de muitos profissionais de Educação Física que estão prestando serviços para a sociedade e somos taxados por “n” perfis e características que nos denigre, porém, pouco vinculados como educadores – o profissional que ensina e forma um cidadão.

A educação do nosso país não começa pelo governo que tanto criticamos, seja ele de direita ou esquerda, mas pelo povo que nos enxerga como profissionais de pouco valor, e ainda, criticado pela própria classe de trabalhadores.

Essa é a cruz que eu vou carregar e meus amigos carregarão também, mas que nunca vou largar, porque sei dos valores que nós professores de Educação Física temos.

 

A discriminação nas aulas de Educação Física.

Basketball

Estive procurando um artigo na internet em inglês que trata-se sobre a discriminação na aulas de Educação Física. Encontrei um artigo sobre estratégias de “driblar” a discriminação, com dicas de atividades, tempo, com expectativas de resultados dos jogos e brincadeiras descritos, etc.

Link: https://www.coe.int/t/dg4/education/pestalozzi/Source/Documentation/TU/TU_SPORT_Crnogorcevic_EN.pdf

A descrição do artigo é bem interessante e podemos usar como base para as discussões pedagógicas em nossas escolas, seja no momento de planejamento ou no avaliação de um grupo. Veja o que o autor  Zlata Crnogorcevic (2015) explica sobre Educação Física e discriminação, ou melhor, como podemos incluir crianças nas aulas:

“Physical Education and Sport are important and wide areas where the development of peace and Human Right scan occur. In that sense, Physical Education teachers have a key role to play. In this training unit, Physical Education teachers will be given the opportunity to reflect and exchange on what could be a “high-quality” physical education, leading to the promotion of integration, peace, justice and equality. By raising awareness about the different forms of discrimination and violence, the teachers will develop new skills to enhance cooperation, human dignity and respect among their students.”

Tradução:

“A Educação Física e o Esporte são áreas importantes e amplas onde o desenvolvimento da paz e direitos humanos ocorrem. Nesse sentido, os professores de Educação Física têm um papel fundamental para as brincadeiras. Nesta unidade de treinamento, os professores de Educação Física terão a oportunidade de refletir e trocar o que poderia ser uma educação física de “alta qualidade”, levando à promoção da integração, paz, justiça e igualdade. Ao aumentar a conscientização sobre o diferentes formas de discriminação e violência, os professores desenvolverão novas habilidades para reforçar a cooperação, a dignidade humana e o respeito entre os seus alunos.”

2 estratégias para amenizar atritos nas aulas de Educação Física.

screaming-child-screaming-mother

Quem nunca se deparou com aquele aluno que no meio da aula de PE começa a dar um show à parte? Geralmente porque perdeu algum jogo ou não quer fazer a brincadeira longe de seu(sua) melhor amigo(a).

A semana está apenas na metade e já tive duas diferentes situações “críticas” que discutimos na escola sobre estratégias de resolução. Hoje vou falar das duas que deu certo, mas que não necessariamente pode dar certo, afinal, não estou aqui para “florear” as práticas educacionais e fingir que todas as abordagens dão certo.

A primeira foi em massa, algo como uma rebelião. Isso mesmo, uma turma de 22 alunos de 5/6 anos de idade com muito açúcar no sangue na última aula do dia depois de terem ficado horas “trancados” na sala de aula e se comportando para realizar as tarefas pedagógicas. Quando chegam na quadra não há deus que faça as crianças sentarem no banco para escutar os planos da aula. Costumo até aproveitar a euforia da massa para correr, pular, cair no chão e, as vezes, até gritar junto com eles para começar o processo de transição – o tão almejado “calm down and listen to me carefully”.

Situação problema 1:

Depois de algumas brincadeiras direcionadas com bambolês, as crianças mereciam participar de alguma/algum brincadeira/jogo que gostam bastante – o Dodge Ball. Fazia tempo que não proporcionava para essa turma o jogo, então separei em dois times e a confusão começou logo na escolha das equipes. Na verdade, durante a escolha das equipes foi tranquilo, mas na hora em que separei as equipes, cada uma no seu lado da quadra, começou uma “brincadeira” de ameaças entre integrantes das equipes que me pareceu bastante competitivo, algo com um tom até de agressividade entre elas. Nesses casos algumas crianças podem se sentir até coagidas na brincadeira, causando um desconforto dentro da aula de PE.

Estratégia utilizada:

Como não conseguiam se conter, utilizei uma estratégia de me sentar e aguardar as crianças perceberem que o jogo não começava porque elas mesmas estavam provocando tal atraso (lógico que isso é um trabalho que tem sido praticado por cerca de 6 meses antes das férias de Julho. Lembro que no começo do ano tentei várias estratégias, inclusive essa. Sem êxito). Com o passar do tempo, conforme fui conhecendo as crianças da turma, fui comentando que estava um pouco triste porque queria brincar com elas ao invés de ficar sem “fazer nada” nas aulas de PE. Aos poucos fui percebendo que elas queriam brincar comigo e que se me vissem “chateado” tomariam a atitude de se acalmarem e me respeitarem para poder brincar posteriormente. Hoje deu certo! Estavam bagunçando, parei por alguns minutos e deixei que percebessem por si só que a bagunça generalizada não levaria à lugar algum, apenas ao não brincar. Ainda recebi a orientação das canadenses que se tentar falar enquanto bagunçam e gritam, a probabilidade de te respeitarem é mínima. É preciso fazer com que se acalmem e façam silêncio para que possamos expor o nosso descontentamento em relação à situação problema. É a melhor forma de realmente te escutarem!

Situação problema 2:

Com uma turma um pouco mais nova (3 e 4 anos), enquanto as crianças escolhiam os bambolês, duas pegaram o mesmo bambolê ao mesmo tempo. A reação delas foi puxar para si própria podendo até quebrar ou entortar o bambolê.

Estratégia utilizada:

Eu nem precisei utilizar estratégia nenhuma. Enquanto caminhava para conversar com ambas e acalmar os ânimos, percebi que as duas crianças de uma forma muito calma pararam de puxar e jogaram “rock-paper-scissors” e decidiram na sorte quem iria brincar com o bambolê primeiro. Quando cheguei no local elas já tinham terminado e quem perdeu o jogo cedeu de forma amigável o bambolê para o vencedor. Nesse momento a criança que perdeu a disputa imediatamente procurou outro bambolê e não houve drama. Somente acrescentei para ambas que após um determinado período elas deveriam compartilhar os bambolês para que ambas pudessem brincar um pouco com cada cor de bambolês. Essa estratégia está sendo utilizada dentro da sala de aula e ajudou na solução de atritos dentro da Educação Física. Faz parte do programa de disciplina positiva da escola.