Virtual School – PE lessons (1st Part).

computer

I was rehearsing to write about virtual school because I don’t want to miss any information regarding what I already did. I took a 15 days break since we started at the beginning of March, and now we have a few days of resting before we restart all the virtual lessons. Actually, maybe we won’t come back together, the whole faculty. We will have meetings to discuss which professional go back to the role right now, and perhaps we will take turns among us. I think it will happen because the school decided to open the Early Years routine again only on 1st June. Many parents didn’t handle all the tasks that we sent to the Google Classroom, which was a kind of a mess, giving back the duties until the deadline. I know their concern because most of them have more than one child, and could you imagine manage tasks regarding all the areas like PE, Visual Arts, Music, Performing Dance, and all the content regarding the teacher of reference (classroom teacher). It’s tough! One parent came to talk to me, virtually expressing her concerns because she has three kids. For many times she had to manage all the three tasks all day long. She told me that she needed to open the three files, prepare the environment for the lessons, material, equipment, cameras or cellphones to take pictures and record her kids, answer questions on Google Classroom, follow the reference teacher’s schedule on time (virtual class), etc. Imagine doing this with your kids and need to work at the same time… Too much work! For now, children from EY are not able to open all the files, use the technology properly to follow a routine and, understand the deadlines without parents’ support.

For Lower and Middle School (my school goes until Grade 8 this year), the scenario is different. Children can attend the classes on time on their own, open all the files, research, use all the technologies requested, answer questions, watch presentations, also our video calls of Q&A. We as teachers are engaged to produce daily content to deliver in the Google Classroom, following the pattern of school’s standards, the Brazilian education document, using all the strategies and studies like Habits of Mind and Making Thinking Visible to support us in this journey.

For PE lessons, it’s been a challenge to bring physical content into the home environment. Of course, we have content enough to deliver, mainly using YouTube as a partner. I subscripted YT Premium to help me to save time while watching videos and avoid adverts. I’m collecting videos with a different purpose, but always looking for videos that I can fit in my practices as a PE teacher, and as a Psychomotricist, I mean, exploring the Psychomotor Factors as Balance Skills, Fine & Gross Motor Skills, Lateralization, Spatial-Temporal Perspective, etc.

This text is just the opening text about the virtual school because I have a lot of things to mention and describe here. Let’s keep the first part as an introduction of the content, then I’m going to split the subject into topics and write another text afterward. See you soon!

The sequence of photos – Inquiry Plan Action.

I was pursuing these photographs since last year, and the teacher of this student found it last week. For sure, this will be my presentation next month of the Inquiry Plan Action – Culture of Thinking. I will explain above why I chose this sequence to showcase my work here at Concept…

  1. As you can see, the first and essential thing is how the teacher took the photos. The identification was preserved, so this is an important thing to show the practice out of the school workshops or professional meetings.
  2. I was playing around the classroom with other students, and at this moment I was absent helping the kid to reach the top of the trampoline, so the children wanted to jump on the trampoline, and her teacher (my partner) noticed the child was trying to get on the top of the trampoline by herself.
  3. I was amazed (and I’m still amazed looking at the pictures) to see her autonomy, and this is very interesting because she doesn’t know, but this picture was an influence on other students’ practices…
  4. I achieved these influences printing the photos and displaying on the walls of my classroom. So, I made her actions visible to the others, and they could recognize the equipment and the environment while observing her photos. I was impressed because some students did the same actions after looking at the pictures. They were looking for the trampoline around the classroom and some blocks/pillows to help themselves to get on the top of the trampoline and enjoy the toy/equipment.
The first ‘4 steps’ of my showcase is above. I know maybe (or for sure, I really don’t know yet) I’ll make some changes to become more clear in what I want to show and explain. This is just the beginning of my research. Writing about it and reflect on the photos will be good for me to develop properly what my bosses and consultants want to hear from a PE teacher.
Engaging myself on HoM (Habits of Mind) and CoT (Culture of Thinking) in the context of Physical Education lessons. Let’s see what’s next…

The 7 Psychomotor Factors.

psychomotricity

EN-US

Inspired by the Understand Map, I made my own illustration to show the seven psychomotor factors that I usually follow to develop my plannings. Combining this illustration to the other steps that I wrote in the last post, I can achieve my goals at the end of the trimester, pushing students to the motor skills and thinking at the same time to face new plays, games or sports.

As you can see, the seven factors can be combining among them, I mean, you don’t need necessarily to choose one specific to develop a class, but you can use more than one. For example, I’ll choose tonicity and balance to plan a lesson for toddlers crossing a circuit class with many elements. I just need to describe the goals of the lesson clearly in my planning and find the scientific purpose of the lesson, including, of course, those previous steps that I mentioned.

Back to school this month after a few professional developments makes me think that I must plan lessons and at the same time develop this kind of board, making my thinking visible as Project Zero teach us to do. It’s pretty clear what Understand Map is doing to my mind, my new teaching way. I’m proud of myself to dig deep to this content and look forward to improving my skills as teacher and person.

Next post I’ll plan a lesson using all the steps, and I’ll take the example to the next Bilingual PE meeting on Wednesday and discuss to partners if it’s meaningful or not.


PT-BR

Inspirado pelo Understand Map, fiz minha própria ilustração para mostrar os sete fatores psicomotores que costumo seguir para desenvolver meus planejamentos. Combinando esta ilustração com as outras etapas que escrevi no último post, posso alcançar meus objetivos no final do trimestre levando os alunos para as habilidades motoras e refletindo ao mesmo tempo para enfrentar novas brincadeiras, jogos ou esportes.

Como você pode ver, os sete fatores podem ser combinados entre eles, quer dizer, você não precisa necessariamente escolher um específico para desenvolver uma aula, mas você pode usar mais de uma. Por exemplo, vou escolher tonicidade e equilíbrio para planejar uma aula para crianças realizando um circuito com muitos elementos. Eu só preciso descrever os objetivos da lição claramente no meu planejamento e encontrar o propósito científico da lição, incluindo, é claro, as etapas anteriores que mencionei.

De volta à escola este mês, depois de algumas reunioes pedagogicas, me faz pensar que devo planejar aulas e, ao mesmo tempo, desenvolver esse tipo de ilustracao, tornando meu pensamento visível como o Projeto Zero nos ensina a fazer. É bem claro o que Understand Map está fazendo em minha mente, meu novo jeito de ensinar. Tenho orgulho de mim mesmo em aprofundar esse conteúdo e espero melhorar minhas habilidades como professor e pessoa.

Próximo post vou planejar uma aula usando todas as etapas, e vou levar o exemplo para a próxima reunião da Bilingual PE na quarta-feira e discutir com os parceiros se é significativo ou não.

Understanding Map – Thinking is where your planning begins…

screen-shot-2018-08-24-at-12-18-30-am

This is the Understanding Map from Harvard’s Project Zero. It is the beginning of my planning through the trimesters. I usually use strategies to teach for understanding, so I need to start planning using one topic of the Understanding Map to develop the rest of my activity. The structure of my planning begins with the Understanding Map, but what’s next? There are a few steps following the Understanding Map to build plannings, even *Body & Movement plannings. Look below the sequence of planning that I’m making for 2019:

  • 1st step: Understanding Map (I’m going to check which topic of UM makes more sense while thinking about an activity/game/sports to develop for children);
  • 2nd step: I’ll look for the “Six Facets of Understanding” which are: Explanation, Interpretation, Application, Perspective, Empathy, and Self-Knowledge. These six facets have a description and examples to guide teachers to choose the best facets to develop activities through the Understanding Map and build a meaningful activity.
  • 3rd step: Find the right Standard of students’ expectations.
  • 4th step: This step we will describe what are students able to practice or/and develop.
  • 5th step: Describe the Visible Thinking Routine I’ll use to help students to reach what the activity and the previous steps are guiding them to achieve. This step comes with an essential question to strive children to think through the process of learning. If you choose facets as Explanation, you can reply students asking a question as “What makes you say that?” and the students will be able to clarify their thoughts about the subject.
  • 6th step: Mention Habits of Mind that students usually go through the process of thinking.
  • 7th step: Assessment of the process of learning.

In my case as PE Teacher, I must add one more step to contextualize my practices as Psychomotricity specialist. I’ll plan a class to develop and improve students’ skills, I mean, psychomotor skills. There are seven different psychomotor skills named:
1. Tonicity;
2. Balance;
3. Lateralisation;
4. Body-Map;
5. Spatial-Temporal Perspective;
6. Gross Motor Skills;
7. Fine Motor Skills.

Understanding the psychomotor skills that we want to develop in PE classes with emphasis, I’ll insert one or two factors into the previous steps above. Simple like that!

*(Body and Movement mean Physical Education at Escola Concept São Paulo).

Bilingual PE is a Start-Up focused on Coaching for Brazilian PE teachers. | A Bilingual PE é uma Start-Up com foco em Coaching para professores de Educação Física no Brasil.

academic-coaching

EN-US

Bilingual PE raised through Brazilian PE teachers necessity, that’s because of most PE teachers in Brazil doesn’t have regular graduation focused on the second language as the English Language is.

The idea of the main project is bringing online experiences from US PE teachers, collecting contents that were upload from themselves to show PE classes. I used to watch those videos from YouTube or other online sources and improve my repertoire at first, also found for scientific context about the same video. I mean, after watching the video, I was looking for scientific explanations to develop the same activity in my classes and put it on my weekly planning. I’m a specialist of Psychomotricity, a French science, and I usually collect videos to know more about activities and games that Brazilian PE teacher did not necessarily have the opportunity to live and explorer. Psychomotricity has factors that guide the science, and to contextualize games and plays we must find the best element to conduct our activities. For example, Body-Map is one psychomotor factor, and we can play games exploring parts of our body and planning these games contextualizing the games describing the activities as a Body-Map factor, knowing more about our body systems or something.

It’s just the beginning what I want to talk about because when we find some content that we want to explore more in our classes, we will see the best way to fit this in our planning.

Thinking about strategies to learn and teach, we (my partner and I) decided to develop our workshops. Now we are facing a new challenge, and its time to run our new project of Coaching. We’ll lead some meetings once a week for two hours to engage PE teachers in improving their knowledge to become a bilingual PE teacher or reach another level of bilingual schools, even international schools in Brazil. Find bilingual PE teachers is something rare in our country.


PT-BR

A PE bilíngüe foi criada por meio da necessidade de professores brasileiros de EF e o fato da maioria dos professores de EF no Brasil não ter uma graduação regular focada na segunda língua como a língua inglesa.

A ideia do projeto principal é trazer experiências on-line de professores de PE dos EUA, coletando conteúdos que foram enviados por eles mesmos para mostrar as aulas de Educação Física. Eu costumava assistir esses vídeos do YouTube ou outras fontes on-line e melhorar meu repertório no início, também encontrando o contexto científico sobre o mesmo vídeo. Quero dizer, depois de assistir ao vídeo, eu procurava explicações científicas para desenvolver a mesma atividade em minhas aulas e colocá-la no meu planejamento semanal. Sou especialista em Psicomotricidade, uma ciência francesa, e geralmente busco vídeos para saber mais sobre atividades e jogos que o professor de Educação Física brasileiro não teve necessariamente a oportunidade de viver e explorar. A Psicomotricidade tem fatores que guiam a ciência e, para contextualizar jogos e brincadeiras, devemos encontrar o melhor elemento para conduzir nossas atividades. Por exemplo, Noção de Corpo é um fator psicomotor, e podemos jogar jogos explorando partes de nosso corpo e planejando esses jogos contextualizando os mesmos descrevendo as atividades como um fator Noção de Corpo, sabendo mais sobre nossos sistemas corporais ou algo do tipo.

É apenas o começo sobre o que quero falar, porque quando encontramos algum conteúdo que queremos explorar mais em nossas aulas veremos a melhor maneira de ajustar isso em nosso planejamento.

Pensando em estratégias para aprender e ensinar, nós (meu parceiro e eu) decidimos desenvolver nossos workshops. Agora estamos encarando um novo desafio, e é hora de executar nosso novo projeto de Coaching. Realizaremos reuniões uma vez por semana durante duas horas para envolver os professores de EF na melhoria de seus conhecimentos para se tornarem professores bilíngues de EF ou alcançar outro nível de escolas bilíngues, até mesmo escolas internacionais no Brasil. Encontrar professores de educação física bilíngües é algo raro em nosso país.

Psicomotricidade colocado em prática no workshop da Bilingual PE na Global Me School (Jan/19).

globalme2019

Dias 10 e 11 de Janeiro de 2019 fizemos o 6º Workshop Bilingual PE na Global Me School, em São Paulo. Fomos convidados para falar sobre Psicomotricidade e os fatores que norteiam as aulas de Educação Física dos profissionais de EF da escola.

Pudemos esclarecer os sete fatores psicomotores exemplificando a prática das aulas para a equipe do pedagógico da Global Me. Equipe esta que acompanha as aulas de EF diariamente e que não tiveram acesso aos conteúdos sobre psicomotricidade, uma vez que não há formados em EF ou especialistas em Psicomotricidade na equipe do pedagógico, apenas na equipe de esportes.

Com essas características do público alvo do workshop, pude remodelar os temas abordados no módulo teórico para que tornasse atraente os conteúdos das práticas e exemplificar com um vocabulário menos técnico. O feedback foi positivo porque 100% compreenderam o tema e as estratégias mostradas para melhorar as dinâmicas de brincadeiras e jogos no dia-a-dia das crianças.

De forma superficial abordei Habits of Mind e Visible Thinking Routines e visivelmente as educadoras se mostraram interessadas em pesquisar mais sobre ambos os temas. Cada vez mais tenho conseguido introduzir os temas nas práticas esportivas escolares, e consequentemente as vivências de HoM e VT Routines estão se tornando mais claras e objetivas.

6º Workshop Bilingual PE na Global Me School.

foldergm18

Começamos 2019 com o pé direito! Essa semana nos dias 10 e 11 (quinta e sexta) farei o sexto workshop da Bilingual PE e o primeiro de 2019. Após um ano de dedicação exclusiva à Concept, em 2019 poderei me dedicar à Bilingual PE também, sem que meu trabalho na Concept seja comprometido. A Concept inclusive está no calendário de 2019 (sem data específica), e com muita satisfação poderei desenvolver os workshops que tanto gosto na escola onde trabalho.

Enquanto isso, a Global Me, minha eterna primeira escola bilíngue e qual eu tenho um apreço inestimável, abre suas portas mais uma vez para que eu leve minhas vivências na Psicomotricidade para fazer um curso de formação para seus funcionários. Tenho um conteúdo montado especificamente para professores de sala de aula com exploração dos fatores psicomotores, apresentando brincadeiras dentro e fora da sala.

A meta para 2019 é visitar 12 escolas, uma por mês. A de janeiro já está aí, e será essa semana. Para os profissionais da educação, nós da Bilingual PE desejamos um ótimo ano e muita realização profissional. Feliz 2019!

Distúrbios Psicomotores: Debilidade Psicomotora. #Psicomotricidade

psichomotricity

O último semestre da pós-graduação de Psicomotricidade (que iniciei agora no mês de Março/18) começou com um módulo muito interessante para o trabalho no dia-a-dia com as crianças: Distúrbios Psicomotores.

Fiz algumas anotações do conteúdo em aula e quero compartilhar esse conteúdo aqui no blog. Em primeiro lugar para que eu tenha fácil acesso na internet para esse assunto, em segundo para difundir essa abordagem psicomotora superinteressante.

Um dos tópicos abordados no módulo foi sobre a Hemiplegia (*) e isso vai direto de encontro com uma das crianças que trabalho atualmente na escola. Tenho tido poucos informações sobre a condição da criança, mas estudando sobre debilidade psicomotora o assunto Hemiplegia vêm à tona. Veja um link abaixo com um breve definição e de uma forma superficial de definição (site não científico):

*Hemiplegia: Paralisação de metade do corpo (lado direito ou esquerdo)


Essas são algumas anotações minhas das aulas do módulo de Distúrbios Psicomotores:

  • Conceitual: Distúrbios, Transtornos e Dificuldade.
  • Funções Executivas: Controle Inibitório, Memória de Trabalho e Flexibilidade Cognitiva.
  • Inibição Psicomotora, Debilidade Psicomotora, Instabilidade Psicomotora, Lateralizada Cruzada, Imperícia.
  • Dificuldade de Aprendizagem: Dislexia, Disgrafia, Dispraxia, Discalculia, Dislalia…

Debilidade Psicomotora

Caracteriza-se pela presença de paratonia e sincinesia.

  • Paratonia: É a persistência de uma certa rigidez muscular, que pode aparecer nas quatro extremidades do corpo ou somente em duas. A criança apresenta incapacidade de relaxar voluntariamente um músculo. Quando a criança caminha ou corre, os braços e as pernas se movimentam mal e rigidamente. Ao caminhar ou na postura estática apresenta uma certa deselegância. A qualquer tipo de solicitação, interna ou externa, a rigidez aumenta.
  • Sincinesias: É a participação de músculos em movimentos nos quais eles são desnecessários. Por exemplo, quando colocamos algo numa das mãos de uma criança com debilidade motora e pedimos que ela aperte o objeto fortemente, sua mão oposta também se fechará.

Summer Course Bilingual PE: Veja como foi nosso primeiro curso de verão na Maple Bear Jardins.

Nos dias 13 e 14 de Janeiro (Sábado e Domingo) aconteceu o nosso primeiro Summer Course. Depois de 3 workshops em 2017, decidimos começar 2018 com um curso intensivo pré 1º semestre. A ideia veio para que pudéssemos dar suporte para novos ingressantes na educação bilíngue.

Não somente profissionais de Educação Física compareceram ao curso, mas também pedagogos se mostraram interessados e mais uma vez contribuíram com as dinâmicas do evento. É importante para nós juntar professores de sala de aula para discutirmos com mais eficácia as estratégias que podemos adotar no dia-a-dia dentro da escola e em nossas aulas.

Tivemos muitas novidades no Summer Course, como as oficinas de Saúde Vocal do Professor e Psicomotricidade:

Saúde Vocal do Professor (Teaching Voice): A Fonoaudióloga e Pedagoga Cecília Coelho (Global Me) nos trouxe à tona a importância do(a) professor(a) cuidar de sua voz, com exercícios de relaxamento para as pregas vocais, além de diversas dicas que podemos aplicar diariamente na escola.

Psicomotricidade: Realocamos o tema Psicomotricidade em uma oficina, podendo assim dar uma ênfase maior aos fatores psicomotores que trabalhamos com as crianças. Iniciamos a oficina com conteúdo teórico e logo em seguida trabalhamos as práticas na oficina. Ótima oportunidade para esclarecimento de dúvidas.

O Summer Course acontecerá todos os anos no mês de Janeiro, antecedendo o primeiro semestre. No meio do ano (Julho) acontecerá o Winter Course, com a mesma filosofia que foi empregada no curso do final de semana passado.

A diversidade da psicomotricidade na infância.

e3acd5bcbc5265b24b2080f5d59c78ad377362784.jpg

A psicomotricidade nos eleva à um novo patamar de visão sobre nossos alunos, até mesmo daqueles que trabalhávamos antes mesmo de cursar a especialização.

Hoje reconheço o quanto o investimento na carreira enriqueceu meu repertório no dia-a-dia do meu trabalho. Não apenas no planejamento semestral das aulas, mas na improvisação  de uma atividade em meio ao caos que as vezes nos deparamos com as crianças.

Ter as bases científicas claras em nossa mente é a chave para o melhor desenvolvimento de uma aula para crianças, adolescentes, jovens e adultos. Vendo uma foto como essa acima (achei no Pinterest) é inspirador, sendo que não há nada além de chão e tinta. Ao mesmo tempo que não há materiais, há uma diversidade de possibilidades para ensinar crianças um universo de brincadeiras, sejam elas lúdicas ou simplesmente de execução de movimentos para cruzar um caminho.

Hoje apliquei uma aula simples, com apito e tatame, alternando cores dos tatames nos comandos de apito. Sustentei uma aula de 45 com “gás” para aula de 1h30min. Tudo depende do professor querer mostrar algo diferente, e não se prender às limitações que nos brasileiros nos deparamos com as condições da Educação Física escolar.

Estou aqui escrevendo esse post mais para mostrar o meu entusiasmo como Psicomotricista em formação e o quanto importante é estudar e se especializar para darmos o melhor de nós como educadores.

Inspire-se e compartilhe suas experiências!